segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Devaneios de um Hermano.

O FUSCA VERDE, por Bruno Medina.

A História é inspirada em fatos reais

Da janela do segundo andar, Umberto analisava clinicamente o Fusca verde. O carrinho encontrava-se parado à porta de sua casa fazia quase um mês, fato que o irritava profundamente. A vaga que ocupava era justo a sua preferida, na qual sempre estacionava o próprio carro. Por conta da permanência prolongada do Fusca, teve de se conformar com a vaga em frente, bem debaixo de uma frondosa jabuticabeira, que, nesta época do ano, pintava o carro todo de roxo.

A cada vez que precisava remover frutinhas estouradas e incrustadas no pára-brisa de seu carro, Umberto lamentava o descuido que permitiu ao condutor do maldito fusquinha ocupar o espaço que sempre fora seu. Era uma quinta-feira qualquer quando decidiu ir ao cinema; assistiu a um filme ruim, do qual nem lembrava o nome e, na volta, um Fusca havia entrado em sua vida. Foi simplesmente assim que aconteceu.

Por muitas vezes foi correndo à janela, pensando ser do Fusca o motor de arranque em seu indefectível revolver, anunciando - quisera ele para sempre - a própria partida. Mas não, eram outros os carros, o Fusca permanecia inerte como busto desconhecido em praça do interior, um monumento a sua completa impotência diante da situação. Abdicou da costumeira postura reservada para se pôr a perguntar pela rua, aos vizinhos, a qualquer um que nunca teve dele mais do que um bom dia sussurrado a boca pequena, a quem pertencia aquele carro. Em vão, ninguém tinha a resposta.

Numa tarde de domingo, se deu conta de que nunca havia olhado o velho Fusca de perto. Como? Ali estava seu algoz, e ele apenas o conhecia de longe e do alto? Era preciso igualar-se a ele, encará-lo de frente, tocá-lo, sentir seu cheiro, conhecer suas formas, para que este nunca pudesse surpreendê-lo. Não queria, no entanto, fazer aquilo com testemunhas; algum vizinho poderia suspeitar de sua frustração ou pior, perceber que ele elegera como arquiinimigo um inofensivo fusquinha. O jeito era esperar a madrugada para estudá-lo sem nenhuma preocupação.

Colocou o despertador para as três horas da madrugada e, de pijamas, munido de uma lanterna, partiu para a investigação. Olhou por baixo, por trás e lá dentro, posado sobre o banco do carona, avistou um papel, uma pista. Regulou o foco da lanterna para o alvo e, com muita dificuldade, conseguiu ler alguma coisa. Era um recibo de lavanderia. Duas calças, um paletó e uma colcha de casal, em nome de Ligia, provavelmente a dona do carro.

Anotou o número do pedido, do telefone da loja e mal conseguiu se segurar até a manhã seguinte para fazer a aguardada ligação. A estratégia foi dizer que havia encontrado uma carteira na rua de uma tal Ligia, e que dentro havia um recibo da lavanderia. Pediu para que lhe passassem o telefone da cliente. O funcionário ficou um pouco desconfiado mas acabou cedendo; a partir dos dados fornecidos, Umberto conseguiu o telefone da “dona do Fusca” e deu seqüência ao plano de remoção do veículo ligando para ela:

– Alô, bom dia

– Bom dia.

– Dona Ligia, aqui fala Umberto, proprietário da casa em frente onde está estacionado seu carro.

– Aconteceu alguma coisa com meu carro? - perguntou em tom de apreensão.

– Não, está tudo bem, não se preocupe. Acontece que fiquei preocupado pois seu carro está estacionado na mesma vaga faz muito tempo e….

– Como foi que o senhor conseguiu meu telefone?

– … eu cheguei até seu número porque achei que algo havia acontecido…

– Não, meu senhor, nada aconteceu. O carro está estacionado aí porque eu moro próximo a sua rua, mas infelizmente aqui não é muito fácil encontrar boas vagas.

– Desculpe a intromissão, mas a senhora não usa mais o carro?

– A verdade é que eu mesma raramente o uso, quem usava mesmo era meu filho, que agora está fazendo um intercâmbio no exterior e só deve voltar daqui a seis meses.

– Seis meses?! O carro vai ficar estacionado na porta da minha casa mais seis meses?

– Sim. Por quê? O senhor tem alguma objeção?

– Não, mas a senhora poderia parar o carro em outro lugar. Que tal?

– Por quê?

– Porque a senhora nem aqui mora e está tirando minha vaga preferida! Sabia que meu carro está debaixo de uma jabuticabeira que pinta ele todo de roxo? A senhora sabe o que é ter de lavar um carro dia sim outro também?

– Olha só, meu senhor, não sei como conseguiu meu telefone, mas acredito que o senhor não anda muito bem do juízo. O carro vai ficar aí onde está até eu ou o meu filho resolvermos tirá-lo, e se o senhor fizer alguma coisa ao carro, ou mesmo voltar a me ligar, vou chamar a polícia. Passar bem.

Bateu o telefone e assim terminou a conversa entre os dois, nada resolvido. Umberto andava em círculos pela casa praguejando e tentando ter idéias, porque, se antes remover o Fusca era uma questão de conveniência, agora era questão de honra. - Que mulher egoísta e estúpida! Que petulante! Um favor que não lhe custaria nada - dizia Umberto inconformado com o resultado da empreitada. A única solução seria encontrar um meio de fazer a proprietária querer sair com o carro. E foi então que teve uma brilhante idéia…

A partir do nome e do sobrenome obtidos na nota da lavanderia, Umberto passou dois dias estudando as páginas amarelas até descobrir o endereço da dona do Fusca, cujo telefone estava em nome do marido. O passo seguinte do plano era fazer amizade com o porteiro do prédio de dona Ligia; Adquirindo sua confiança, seria mais fácil convencê-lo de que era morador daquela rua.

Ao novo amigo disse ser um colecionador de carros antigos e demonstrou interesse por um Fusca verde-bandeira, muito bonito, que sempre ficava por ali. O porteiro imediatamente reconheceu a descrição do veículo, mas disse estar certo de que a proprietária não desejaria vendê-lo, pois havia comentado que o manteria para quando o filho voltasse do exterior. Mesmo assim Umberto falou em dinheiro, ofereceu quase o dobro do que o carro valia e solicitou ao porteiro que informasse dona Ligia de sua proposta.

Voltou a telefoná-la, dessa vez se apresentando como Athayde Alcântara, um idôneo colecionador de carros antigos. Ajudavam a compor seu personagem o rebuscado vocabulário e o anasalado tom de voz, que, somados ao nome pomposo, conferiam-lhe um ar de especialista. Após as cabíveis considerações iniciais, da forma mais cordial possível, Athayde reiterou a oferta que havia feito ao porteiro. A princípio dona Ligia reagiu com indiferença, no entanto o valor em questão era realmente irresistível.

O dinheiro possibilitava comprar um carro bem melhor, ou mesmo dois iguais àquele. Além da compensação financeira, havia o argumento de que o veículo ficaria guardado na garagem do colecionador, recebendo tratamento de peça de museu, e, eventualmente, participando de algumas exposições. Dona Ligia foi convencida. Marcaram um encontro para a manhã seguinte no lugar onde o carro estava estacionado. Umberto fingia anotar o próprio endereço enquanto silenciosamente comemorava sua façanha.

Seu plano era uma jogada de mestre: o senhor Athayde pediria para dar uma volta no Fusca, afim de melhor avaliar sua condição. Umberto deixaria um vizinho de sobreaviso para que -caso o espaço em frente a sua casa estivesse livre- trocasse seu Opala de lugar. Enquanto rodava pelo bairro com dona Ligia, o vizinho moveria o carro e, ao retornar, o Fusca não encontraria sua vaga habitual, passando os próximos seis meses estacionado em outro lugar qualquer. Ao final do teste, o colecionador alegaria um problema que inviabilizasse a compra e, dessa forma, o Fusquinha e sua dona estariam definitivamente banidos, não só daquela rua como também de sua vida.

Um pouco antes do horário combinado Umberto já esperava na esquina, porque era preciso ter o cuidado de não ser visto saindo de casa. Dona Ligia era uma mulher de meia idade, baixinha, cabelo tingido, trajando shorts e chinelo. Senhor Athayde vestia calça social marrom, camisa de linho azul e carregava uma pasta de couro vazia, apenas pela aparência.

Apresentações feitas, pegou a chave e sentou na posição do motorista. Ao seu lado, no banco do carona, repousava a nota da lavanderia que havia originado o plano. Dona Ligia amassou-a e jogou-a pela janela sem se dar conta de que aquela havia sido sua falha estratégica, o erro que permitiu o avanço do audacioso plano de Umberto. Athayde ajeitou-se procurando a melhor posição para dirigir, e deu partida. O carrinho pegou na primeira tentativa, ignorando a idade e o tempo que permaneceu parado. Antes de contornar a quadra, viu, pelo espelho retrovisor, seu vizinho saindo de casa, exatamente conforme o previsto.

Umberto tentava controlar a gargalhada de satisfação que insistia em lhe escapar enquanto dona Ligia permanecia entediada sem ao menos desconfiar do que se passava. O Fusca subiu o viaduto, entrou no túnel, cruzou a ponte, desceu a ladeira, e só então sua dona questionou se a avaliação já não era suficiente.

Athayde respondeu que precisava ainda analisar alguns detalhes e prosseguiu. A sensação de dirigir aquele Fusca era indescritível. Quarenta minutos após o início do passeio, Umberto finalmente decidiu retornar ao ponto de partida. Lá chegando encontrou seu Opala parado na porta de casa, justo como ele tanto queria. O plano tinha transcorrido com perfeição. Dona Ligia resmungava algo relacionado a ter perdido uma excelente vaga quando uma coisa muito estranha aconteceu.

Aquela imagem, do carro preto e grande parado na porta da casa, não era familiar. O Fusca era familiar. O Opala era altivo, formal e esnobe, o Fusca era modesto, prático, e alegre. O Fusca lembrava passeio, o Opala lembrava trabalho. Athayde ponderou por alguns instantes e sugeriu uma nova oferta: o Opala preto em troca do Fusca verde-bandeira. Negócio fechado. E o Fusca voltou para o lugar de onde nunca deveria ter saído.

http://colunas.g1.com.br/instanteposterior/

Um comentário:

Ynaira disse...

Afudê Histórinha mointu bonetosa.