quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Why?/1 mês.

Aniquilar uma alma não é simples.
Costurar um coração é impossível.
Não existem corações de papel prontos a serem repostos.
Não existem pessoas robôs, para simplesmente “restaurar as configurações originais”

A dor não é palpável, a dor não é removível, a dor não é manipulável.

Só o perdão reduz a dor, e eu disse REDUZ, e não “acaba com”.

É difícil.
O mesmo olhar, aquele com ternura, me fitou diferente, desta vez com indignação.
Não a culpo. Mas não a inocento também.
q//

Não sei se estou agindo corretamente, mas sei que estou dando o melhor de mim.

Só queria que ficasse tudo bem..

Até porque...HOJE é dia 5 de novembro!
Além de ser o dia da Vingança, da Vendetta(Viciada no filme –qq) ...é o dia em que comemoramos um mês.

Parabéns para nós, né?

Why?/1 mês.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

E a Bela Adormeceu.

Sensação de missão cumprida! Depois de três meses de temporada, a Bela Adormecida, terminou.
Por mais necessárias essas férias pra mim, admito que sentirei saudades desse elenco maravilhoso.
...

Aos que fizeram o meu fim de semana significar mais do que esperado;
Aos que fizeram os erros cênicos se tornarem cômicos;
Aos que me criticaram com bons olhos, e que não desistiram de ver eu fazer uma bruxa terrivelmente má;
Aos que elogiaram minha personagem de rei Humberto, e riram junto comigo enquanto eu o montava;
Aos com quem eu dei risadas gostosas no camarim e esquecia a hora de entrar;
À Nãna Freitas, que reclamava que eu sempre colocava figurino na sua cadeira;
Ao Matheus Melchionna, que sempre me desejava 'merdé' antes de entrar e apertava meu calcanhar.
À Fê Pacheco, a que me deu MUITOS conselhos no palco da vida;
À Pi Poser, que me emprestava o corretivo e o pincel de blush;
Ao Uli, com quem encenava e era quase impossível não desconcentrar;
À Ely Caponin, que falava demais e nos fazia rir;

E principalmente, àquele que me proporcionou participar da Bela Adormecida,
Zé Rodrigues:

MUITO OBRIGADA!

Foram 3 lindos meses de temporada.

E que venha o próximo desafio!

"Ama a arte dentro de ti, e não vê a ti mesmo na arte!"

Edith Piaf - La vie en rose

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

(Sem Assunto=)

Estou pensando em excluir o blog.
Idéias limitadas, repetidas...

=D

|the end has no end-The Strokes|

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

K².♥

A conversa de ontem mudou tudo.
Vi nos teus olhos, a barreira que existe entre ti e o mundo, se quebrar.
Vi a sensibilidade alojada no teu coração.

Senti que essa tua imagem de "sem sentimentos" se dá graças a tua infância.
Não é fácil crescer sem a mãe, não?
Não é fácil ter esse trauma no coração.
Não é fácil se sentir sozinha.

Eu quero que olhes pra trás e deixe isso tudo lá!
Porque daqui pra frente vais ser a pessoa mais feliz do mundo.

Eu prometo que vou dedicar tudo de mim a te fazer sorrir.
Te prepara para ser feliz.
Te prepara para viver contente.
Te prepara para sentir tão amada que vai suprir todos esse anos de "solidão"...

Te prepara para o amor.

sábado, 11 de outubro de 2008

Na vaidade, vai idade?


Há quem ache que a vaidade vem com o tempo, com a idade e as ruguinhas no canto dos olhos.

Há ainda aqueles que defendem a vaidade como escolha; outros como dever ou obrigação; outros como futilidade.

Mas, visto de qualquer ângulo, a vaidade é uma soma!E com certeza algo que vem depois.

Algo que te deixa transparecer o próprio estado de espírito.

Quem nunca acordou tão bem a ponto de se maquilar e arrumar, passar até aquela chapinha pra ir no super?

Quem nunca, no dia após o início de um namoro, acordou tão bem e quando se deu por sí, estava em frente ao espelho passando aqueele batom vermelho poderoso?


Vaidade não tem idade, não tem hora, não tem gesto, nem jeito.

Vaidade é a forma que a mulher diz: eu estou feliz e me amando nesse momento.


E convenhamos! Nada como uma mulher arrumada e sorridente.

Então, quando for se produzir, gata: esqueça rugas, espuinhas (tá aí o corretivo para ser usado) e vamos valorizar o que temos de melhor!


E não esqueça: a beleza nunca pôs mesa!

O que põe não só mesa, como a sala de estar inteira é o estado de espírito e um lindo sorriso.

Toda mulher é maravilhosa!



Love cats- The Cure-Foto:Eu e Akyla(melhor amigo)

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

All the things she said!


Estar com você abriu meus olhos
Eu poderia acreditar
Em uma surpresa tão perfeita?
Eu continuo me perguntando, imaginando como
Eu continuo fechando meus olhos
Mas não consigo tirar você da minha cabeça
Quero voar para um lugar
Onde haja somente você e eu
E ninguém mais, para que possamos ser livres...

E estou totalmente confusa,
Me sentindo encurralada e acometida
Eles dizem que é minha culpa...
Mas eu quero isso tanto!
Quero fazê-la voar para longe!
Onde o sol e a chuva
Venham sobre o meu rosto
Lave toda a vergonha
Quando eles param e olham
Eu não me preocupo
Porque estou sentindo por ela
O que ela sente por mim.

Foda-se, eu te quero e pronto!

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Já senti teu cheiro solto no ar;
O teu gosto não saiu da minha boca;
Fecho os olhos e posso te tocar;
A saudade tá me deixando louca!
.-.

Vem que a nossa história tá començando!

(*Estou tão eufórica!*)

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Diário, Necessário.

Mentes loucas de sexta-feira!
Ah, quem dera todo dia fosse assim.
Saudável, não?
Dar risadas, brincar de telefone sem fio, e procurar túneis secretos dentro do colégio.

Ah...é melhor que "dançar o Boogie-Woogie".

Porque contigo, tudo fica mais colorido...
Faz-me sentir...leve.
Ô sorrisinho transformador, o teu.
A primavera te faz tão bem.
A primavera nos fez tão bem.
A primavera te fez meu bem!


x)
Só sei de uma coisa:
Que uma Ariana, uma Aquariana, uma Libriana, um Pisciano e um Capricorniano realmente fazem o dia valer à pena.
E amanhã à noite???...Ahhhh, não vai prestar!

Paixão pairando no ar.... Agarra?

Semana boa bagarai.
Love K'ats.

sábado, 27 de setembro de 2008

Pingos de um Ensaio.







Eu prometi e cá estou postando: 3 fotos do book que eu fiz com a magnífica Fernanda Bona!





sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Hold me, love me!

Eu poderia olhar nos teus olhos por horas, tocar tuas mãos geladas até as minha gelarem, ou te acariciar até dormir.
Eu poderia ficar falando besteira pra te ver sorrir;
Poderia te fazer surpresas e cócegas também. Te fazer feliz!
Mas algo em ti, que não é a reciprocidade que existe entre nós, te faz evitar o inevitável.
Por que fugir de algo tão bonito?
Queria poder te enfiar a idéia de que não é feio amar, seja qual for a circunstância.
Isso anda me magoando, me deixando sem forças.
Sei que também queres.
A tua inconstância me faz desnortear!
Só queria que desse essa chance para o possível "nós", que desatará outros tantos da tua mente confusa!
Pensei em esconder esse sentimento, mas acho que ele por sí só, transparece por meus olhos.
Estou esperando a tua hora.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Gene Kelly canta pra mim?

I'm singing in the rain
Just singin' in the rain
What a glorious feeling
I'm happy again
I'm laughing at clouds
So dark up above
The sun's in my heart
And I'm ready for love
Let the stormy clouds chase
Everyone from the place
Come on with the rain
I have a smile on my face
I walk down the lane
With a happy refrain
Just Singin', singin' in the rain
Dancing in the rain
I'm happy again
I'm singin' and dancin' in the rain
I'm dancin' and singin' in the rain

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Click milagroso!

Imaginem vocês, que EU vou desfilar!
Siim, na coleção da namorada de um amigo meu.
O desfile vai ser inspirado em Londres nos anos 50 e vai acontecer em dezembro.
Estou tão ansiosa! Nem TANTO por desfilar e isso ser praticamente impossível para alguém como eu, mas imaginem só as ROUPAS que vou vestir? As pessoas que vou conhecer...!

Pois então, fiquei tão emocionada com o convite, que fiquei decidia a fazer um book!
Ontem tirei as fotos.
Começando o comentário pela fotógrafa:
Fernanda Bona, que coisa mais amada. Linda, querida, simpática e EXTREMAMENTE talentosa!
Ela fez eu me sentir bem à vontade sabe!

Caaaara (desculpem a linguagem coloquial repentina, mas não sabia como expressar-me), eu fiquei linda nas fotos! Mesmo!
Promento. Quando ficarem prontas posto uma ou duas aqui!

-Façam books! É incrível como uma pessoa que não se gosta, passa a se gostar.

Porque, eu ante-ontem, me achava ridícula, e hoje saí pra rua com um button escrito: "I LOVE ME"
;)
Amem-se garotas, TODA a mulher é linda!

Lucy and sky with diamonds

'
Picture yourself in a boat on a river
With tangerine trees and marmalade skies
Somebody calls you, you answer quite slowly
A girl with kaleidoscope eyes
'
*-*
-
Não se engane. Eu vi o teu olhar pra mim.
Eu sei que não é só amizade, teu sorriso transparece isso.
Hey, I like you too sweet girl. :D
-

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Abaçaiado, é assim que eu tô.

Na mitologia tupi, abaçaí é o nome de um espírito maligno
que se apossa de um índio deixando-o enfurecido,
logo quem está enfurecido, ta abaçaiado!

Então, eu grito:

"...se hoje abaçaiado canta, é porque ontem já chorou!"

Não é nada fácil.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Cuspe!

E novamente me [des]encontro num beco sem saída.
A consequência realmente é o que dói mais.
Temos dois caminhos, seja qual for a hipótese: O Bom e o Mau...
O do coração e o da razão.
Apesar de gritarem ao sete ventos que o da razão é o certo, estou aqui pra contrariar, NÃO É NÃO!
Razão.Desde quando é sinônimo de felicidade?
Uma promoção no emprego não paga o preço e não dá a felicidade que teríamos se estivéssemos entre amigos, rindo e desfrutando de um sorriso sincero.
Podes pensar, caro leitor, que estou redondamente equivocada.
"Como assim, R$300,00 a mais na minha conta não é felicidade?"
Só que, ganhar mais, também é sinônimo de trabalhar mais,que é inversamente proporcional a TER tempo para sí e para prazeres da vida.

Tu só vai me dar razão "emoção", no que estou falando, quando se ver em um caminho sem volta, sem ter tempo nem para tomar um café entre amigos, tendo todo o seu tempo do MÊS preenchido.

Viva com emoção, acho que só isso que tenho a dizer.
E,para os meus amigos: Um dia isso vai passar e poderemos sorrir novamente.Eu AMO vocês. Obrigada pela força!♥

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Dicionário Pessoal de Português.

Quando eu era criança ficava imaginando palavras e, chateada por ver que as palavras não faziam muito sentido com o seu significado.
Por que, por exemplo, travesseiro não é "cabeceiro"? Ou apontador, "apontalápis"?
Se laranja chama assim pela cor, por que limão não chama "verde"?
Aí eu estava a vegetar na web, quando encontrei umas palavras que eu teria adorado se tivesse visto há uns anos atrás.

ABISMADO - pessoa que caiu no abismo.
AMADOR - o mesmo que masoquista.
AMAZONAS - apreciador das zonas de baixo meretrício.
ARMADURA - pênis em estado de ereção.
ARMARINHO - vento proveniente do mar.
ARTESAO - aparentando excitação.
BARGANHAR - receber um botequim de herança.
BARRACAO - proibir a entrada de cachorro.
BISCOITO - relação sexual repetida.
COMUNGUEI - estar relacionado com um homossexual.
CONCEICAO - elemento de soma - Ex: quatro com seis são dez.
CRETINO - nativo de Creta.
DEPAUPERADO - operado de fimose.
DESANUVIADO - a glória do gay.
DESBOTAR - quando a galinha bota dez ovos.
DESDENTADAS - o mesmo que dez mordidas.
DESVIADO - uma dezena de homossexuais.
DETERGENTE - ato de prender indivíduos suspeitos.
DOCUMENTADO - pessoa habituada em passar menta no ânus.
EDIFICIO - antônimo de é fácil.
EFICIENCIA - ciência que estuda a letra F.
ENCURRALAR - o mesmo que esfolar o ânus.
ENTREGUEI - estar cercado de homossexuais.
ESFERA - animal selvagem já domesticado.
ESPERTO - o mesmo que distante.
FLUXOGRAMA - direção em que cresce o capim.
GENEROSA - fator genético da rainha das flores.
GINCANA - bebida contendo gim e pinga.
GLANDE - sinônimo de enolme.
GLOSAR - atingir o oglasmo.
HALOGENIO - forma de se cumprimentar pessoas muito inteligentes.
HOMOSSEXUAL - sabão em pó para lavar partes íntimas.
INTIMACAO - o mesmo que carícias sexuais.
MINISTERIO - aparelho de som de tamanho reduzido.
MISSAO - missa muito longa.
OBSCURO - OB de cor preta.
PAULATINO - pênis de nativo das Américas Central e do Sul.
PRESSUPOR - colocar preço em alguma coisa.
SOLUCAO - forte soluço.
TABELA - sinônimo de estar muito bonita.
XIITA - nome da macaca do Tarzan.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Grito!



"Tudo o que é demais aborrece", já diria minha mãe!
Concordo em número, gênero e grau!
Porque tem uma hora que parece que fica tão hipócrita aquele abraço forçado, ou tão inútil aquela briga [infantil].
Mas, um dos problemas de mudar é conseguir se desprender do atual!
Temos o costume de ficar acomodados ao momento e, mesmo depois de toda a paciência se esgotar, continuamos presos à verdades não mais compatíveis com o nosso pensamento atual!

A parte realmente mais árdua é se desfazer, deixar o que é passado pra lá e tentar viver um novo presente.
O primeiro passo à mudança é o mais difícil..
É como dieta, que o ruim mesmo é a 1° semana, depois só vai!

Queria me desfazer de tanta coisa!
Meu estágio, por exemplo! É um saco ficar aqui a tarde toda, sendo que tenho prova amanhã! É tanta gente me xingando por motivos aleatórios!
É, tem o salário no final do mês.
Mas, HEY, eu disse que seria difícil!
Tudo tem dois lados, por isso temos que pensar bem antes de dar o primeiro passo...

Se bem que...pensar de mais atrasa o processo.

Enfim, me perdoem, sou uma adolescente em transição, ok? xD

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

(Confusos)Fragmentos de um dia chuvoso.


Foram 120 passos pra chegar no térreo;
13 segundos para o elevador chegar;
Algumas tantas gotas de chuva no rosto;
Tudo isso para eu perceber que não é o fim.
Por isso o "pró" no problema. Sempre tem saída.
A madame passa com seu guarda-chuva [Prada?] com pose magestosa;
A moça com um sorriso largo; e a pobre menina tentando ao máximo proteger seu filho.
Eu, parada, debaixo de uma marquize, com um cigarro entre os dedos, e com os pensamentos brotando sem sentido vendo a chuva cair, a moça passar, o cigarro queimar, e o pensamento fluir.

Temo o tempo!O fuso horário.
O horário fuso. Estou Sem fuso. Con...fuso, não?

Eu não tenho fim pro post, e nem conclusão para os meus pensamentos.
Apenas descrevi meus fragmentos.

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

A Prolixidade do Pensamento Apaixonado.




O copo transborda.
A demo demora.
O processo do desabroxar já passou.
Está na hora de ver viver a fina flor do nosso amor.
E aquelas palavras com promessas, com...promete.
O ínicio chegou ao fim.
Chegou a hora do agora!
Sigamos de uma vez, antes que o agora seja tarde demais para a impaciência da ariana que sou.
Abraço teu braço e não te deixo partir,
Me demonstra afeto e podes acreditar que não vou seguir...só.
Me aceitas na tua vida! Aceita que já foi lançada a sorte como moeda no cara ou coroa.
Vem, andas comigo, que a vida é coisa boa.
Vem brincar comigo de escravos-de-jó.
O medo tá medonho, atrasa o nosso sonho de conviver com todo ardor.

Que seja aos olhos dos outros tal anomalia os nossos beijos voluptuosos com fervor!

Mas as meninas dos meus olhos gritam:é amor.

Não suma. Me Assuma.

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Texto de um cyberamigo.

"Para você gordiiinha

Pra você, que está sempre distribuindo seu sorriso largo e solto. Pra você, que tira o miolinho do pão e come só a casquinha, com geléia. Pra você, que adora passar uma sombra e um batonzinho básico. Pra você, garota alto astral, que quando chega contagia a todos com seu bom humor e carisma. Pra você, que não vê a hora de chegar o recreio pra correr pra fila da cantina. Pra você, que esconde o ouro com aquele maiôzinho preto (sua danada!). Pra você, que tem o coração do tamanho daquele sonho da padaria.

Esse post é como um Donut gigante, suculento, todinho seu. Ele é pra vo-cê!

Pra você, o conselho mais sensato, e o colo mais gostoso de toda a turma. Pra você, que faz a festa da rapaziada nas micaretas e carnavais. Pra você, que quando tá triste detona a barrinha de chocolate 500g pra cobertura - com uma faquinha, como se fosse queijo minas. Pra você, sempre pronta a escutar, tagarelar, cantar e falar aquelas besteiras que só você, mesmo. Pra você, que quando sorri joga as bochechas lá em cima, fechando os olhinhos brilhantes e expressivos. Pra você, que vive perguntando pras amigas mais chegadas se tá gorda.

Não, gordinha. Você tá maravilhosa! E esse aqui é só pra você.

Pra você, que capricha na saladinha nos restaurantes por quilo. Pra você também, que depois do rodízio de carne, da coca-cola e do pavê de sonho de valsa, toma um cafezinho com adoçante. Pra você, que passa metade dos dias fazendo regime - e a outra metade comendo tudo que tem direito, pra matar as saudades. Pra você, que engole seco toda vez que um filho duma égua diz: 'ela não é linda de rosto?' Pra você, que deixa o umbiguinho de fora pra relembrar os velhos tempos. Pra você, que quando criança era a inimiga número um dos meninos malvados.

Não ligue pra eles, querida... Coitados, eles não sabem o que falam. Fique serena, porque esse aqui é pra você!

Pra você, que puxa papo sempre que a peteca tá caindo. Pra você, que por mais que bote a calça lá em cima, sempre dá uma palhinha do cofrinho. Pra você, que depois do segundo pedaço de pizza, vai comendo metadinha de cada vez, até sobrar só a azeitona (que fica lá porque 'engorda'). Pra você, que odeia ser tachada de sentimental por causa daquela idiota da Laura, do Carrossel. Pra você, que tem um gingado natural, um jeitinho de ser peculiar e uma coleção de tic-tacs na bolsa. Pra você, que segue o lema: 'quem foi que disse que tem que ser magra pra ser gostosa?'

...
Viva las gorduchitas!"

Por Pedro Baptista.

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Aprender a Ceder.

É incrível como as relações acabam e os bocós ficam sem saber o porque,e se conformam em dizer "Foi bom enquanto durou."(com aquelas expressões vagas)
Na verdade "Foi bom enquanto tu cedeu", arigó de obra, e enquanto tu tentou agradar o teu companheiro.
Uma relação conjugal é uma só.
O pensamento de ambos os lados influenciam, mas quando há divergência de opinião, a escolha é uma.
Se não houver concílio, há briga e consequentemente, o fim.
Deve estar achando: "Ah, se acaba então não era amor"
Um pai não ama o filho? E quantos casos de briga na família há só aqui em Porto Alegre por exemplo? Eu conheço vários.
A imposição de opinião é importante, mas desgasta qualquer relação, seja ela conjugal, fraternal...qualquer!

Ceda.
Vais ter um querer bem mútuo;
Uma relação sem rotina;
Quem sabe assim possa viver um amor de verdade.

Individualismo só leva à desgraça.

P.S.: Sim, sou individualista e não sei ceder quase sempre. :O..Ah mas eu tento! xP

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Trecho da minha válvula de escape!

Ontem estava lendo um diário meu e decidi colocar aqui um trecho dele :D Então não é só por falta de criatividade :) hahaha

"Ando tentando não pensar em asneiras...Estou ocupando meu tempo vago com ´músicas, leituras e mais leituras e com polígrafos do Unificado.
É estranho esse vazio que ando sentindo. Percebi que quanto mais responsabilidade se tem, menos amigos se vê!
Sim a reciproca é verdadeita: 'Quando a vida profissional vai bem, o emocional desmorona.' São inversamente proporcionais! Parece que não páro mais! Sempre tenho algo acumulado pra fazer no fim-de-semana(que não descanso por conta do teatro). Aí me encontro solitária sem ninguém para me passar cola num teste diário de sobrevivência; a mamãe não mais chega com um Toddynho em mãos. Essa transição de fases é frustrante!
Quando somos crianças sempre temos algo para chamarmos de nosso: A mãe, o pai, o carrinho preferido, o gato...
gato...Pobre do meu gato, o D'Artagnan. Se ele dependesse de mim estava comendo a sí próprio...ainda bem que a mãe cuida dele!!!
Quem dera pudesse fechar os olhos e descansar por umas horas DOIS ANOS!
Ah...o meu cansaço... Ando tão cansada que isso está afetando diretamente o meu psicológico!

Ora pareço uma velha recalcada:
*Não estou mais saindo à noite;
*Não durmo nem sob protesto fora de casa;
*Brigo com todo mundo por motivos um tanto fúteis.

Ora pareço uma típica adolescente:
*Tenho crises existenciais a cada 2 semanas dias;
*Complexos grotescos;
*préocupação demasiada com a beleza.

Acho que dentre as ocilações de idades mentais...ainda prefiro ser velha!
Adolescente é tudo tosco! ¬¬
Escrever relaxa.
Vou ler. Até. Q´K "

Trecho retirado do meu diário. Dia 22 de abril de 2008.

terça-feira, 8 de julho de 2008

Mais uma de amor.

Que algumas pessoas não acreditem que o homem esteve mesmo na lua, dá até pra entender, mas tem gente que não acredita em amor, e isso é imperdoável. Podemos não acreditar no que nossos olhos vêem, mas não podemos desacreditar no que sentimos. Você já ficou com a boca seca diante de uma pessoa? Já teve receio de ela estar ouvindo as batidas do seu coração? Bem, isso tudo não é prova de amor, apenas de ansiedade. Amor é outra coisa.
Amor é quando você acha que a pessoa com quem você se relacionava era egoísta, possessiva e infantilóide e isso não reduz em nada a sua saudade, não impede que a coisa que você mais gostaria neste instante é de estar tocando os cabelos daquela egoísta, possessiva e infantilóide.
Amor é quando você não compreende direito algumas coisas, mesmo tendo o QI mais elevado da turma, mesmo dominando o pensamento de Sócrates, Plutão e Nietzche. Perguntas simples ficam sem resposta, como por exemplo: como é que eu, sendo tão boa gente, tão honesto e com um coração tão grande, não consigo fazê-la perceber que ela seria a pessoa mais feliz do mundo ao meu lado?
Amor é quando você passa dias sem ver quem você ama, depois passam-se meses, e aí você conhece outra pessoa e passam-se décadas, e você já nem lembra mais do passado, e um dia qualquer de um ano qualquer você se olha no espelho e pensa: como é que eu consegui enganar a mim mesmo durante todo esse tempo?
Amor é quando você sente que seria capaz de amarrar o cadarço de um tênis com uma única mão ou de fazer a chuva parar só com a força do pensamento caso a pessoa que você ama lhe mandasse um sim deste tamanho.
Amor é quando você sabe tintim por tintim as razões que impedem o seu relacionamento de dar certo, é quando você tem certeza de que seriam muito infelizes juntos, é quando você não tem a menor esperança de um milagre acontecer, e essa sensatez toda não impede de fazê-lo chorar escondido quando ouve uma música careta que lembra os seus 14 anos, quando você acreditava em milagres.
Tudo isso pode parecer uma grande dor, mas é uma grande dádiva, porque a existência do amor está toda hora sendo lembrada. Dor é quando a gente está numa relação tão fácil, tão automática, tão prática e funcional que a gente até esquece que também é amor.

Martha Madeiros

segunda-feira, 30 de junho de 2008

Quinteto Fantástico!

No início do ano, quando me trocaram de turma, achei uma injustiça.."Pow...sozinha com desconhecidos antipáticos ...", queria comer o fígado da diretora, chorava como bebê e o inconformismo estava à tona!
Passaram-se semanas, e eu ainda sonhava com minha turma ..."Bá, meu último ano e eu vou me formar com esses...esses estranhos"_reclamava para meus ex colegas.
Estava infeliz e me sentindo só.
Até sexta passada!
Sem motivo aparente conversei com o Alan, menino meigo que a presença não fazia diferença pra mim, e simpatizei com o gosto musical dele, então trocamos endereços de msn para eu enviar músicas do Depeche Mode pra ele.
Durante o fim de semana percebemos que éramos amigos das mesmas pessoas:Mariazinha,Tamy e Ed...e então, como se por mágica, se criou um grupo de amigos na turma da qual temia!
Mariazinha veio comigo da outra turma também então era a mais próxima de mim;Ed e Alan eram amigos e Tamy querida amiga de todos :)
Feito o carreto!#)
Nunca estive com tanta vontade de ir à aula...
Parece que sem eles eu não estou completa, parece que só as piadas deles que me fazer rir :D
*Ed: nunca vi ninguém tão divertido. Com ele não tem ruim, ou melhor...tem ruim sim, e ele ri disso! Ótimo rapper! ♥
*Tamara: minha conselheira do hard rock;Eu fui a primeira; amadaa :X :)
*Mariazinha: Sempre ali quando eu preciso e até quando eu não preciso; minha amante; eu fui a primeira[2] haha õ/ :)
*Alan: ele é um doce! Às vezes frio, mas um mimoso. Se acha; me deu um CD da Rita Lee;A gente fala juntos às vezes.
....ain gente bonita...
Colorem minhas manhãs!
Adoro cantar música bregas ou marchinhas de carnaval com vocês!
Não tem ruim né?
Amo vocês amadinhos!

P.S.: Não é porque tenho novos amigos que me esqueci dos antigos; apenas mudei de habitat saka? :)

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Absolutely nothing


You've seen me cry
Too many times
But not this time
No, not this time
I don't need you
To help me through
I'll be just fine
I'll be just fine

GAME OVER!

sexta-feira, 13 de junho de 2008

UN_________________LUCK!!

Ah, eu até nem ia postar sobre sexta-feira 13 mas, sendo essa 'pós dias dos namorados', preciso realmente me expressar, pois é uma chance em mil viver esses 2 dias seguidos!
Comecemos então por ontem: dia do Santo Antônio!
Em Porto Alegre estava um dia lindo: friozinho de junho com o sol raiando! Para os amantes foi um dia perfeito, o clima do dia estava propício a amar...ao menos foi o que tranpareceu para nós, "encalhados", que ficamos o dia todo pensando como seria bom se fizéssemos parte deste grupo de enamorados e, nos lamentando...
Dia 12 de junho de 2008 foi um dia normal, apenas com mais lamentações ditas por mim, ou escutadas por mim quando meu colega de trabalho, Giovanni, por sua vez se lamentava.
Agora voltemo-nos ao dia de hoje: Sexta-feira 13.
Para muitos esse dia desperta medo, ou talvez apenas um receio de gatos, escadas, etc...
Hoje por algum motivo o sol parece estar muito mais brilhante pra mim, o céu bem mais azul, e o dia muito mais gostoso do que o de ontem..
A minha bolsa não está recheada de sal, patas de coelho, trevo de quatro folhas, figa e nem com uma ferradura de chaveiro, mas o bom humor e a sorte resolveram passar o dia comigo hoje...
Eu vi um sorriso lindo.
Ri com o meu melhor³ amigo:Áquila!
Recebi um abraço gostoso:Bru
Brinquei de girar com minha minha irmã:Ynaira
Tirei onda com o Robson com a Cris...

Enfim, as pessoas mais queridas me fizeram imenso bem hoje...

Não sei se sou bruxa ou apenas uma azarada no dia dos namorados..
Mas se tiver de ser assim, com sorte nas sextas-feiras 13...

QUE VENHA O FREDDY KRUEGER NOVAMENTE õ/

14h50min

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Abaixo o padrão! Sim à conscientização!

Ultrapassar a barreira do preconceito pode ser fácil no papel, mas difícil na prática. A sociedade acolhe tudo que está enquadrado em seu padrão e repulsa aquilo que não está, ou seja, o que é diferente.
Com ajuda da mídia expressa e televisiva, o padrão da sociedade, mais do que nunca com o avanço da tecnologia, influencia diretamente nas escolhas do cidadão. Belas mulheres com silicone, homens musculosos, brancos, classe média-alta: padrão!Esses serão bem aceitos, concorridos no emprego dos sonhos, prestigiados e aplaudidos. Infelizmente é o que a mídia nos faz acreditar.Os homossexuais, negros, pobres, onde ficam nesta classificação? Ficam pra trás. A sociedade não dá lugar pra quem é diferente, por mais capacitados no caráter e intelecto que sejam.
Mas antes de pensar que “Fulano” é alto ou baixo, gordo ou magro, negro ou branco, pobre ou rico, hetero ou homossexual, é preciso pensar no que essa pessoa tem de bom. Ela é uma pessoa como qualquer outra, com capacidade igual, ou até mesmo maior que a outra. O que falta é a conscientização de cada um, seguido da prática ou até mesmo campanhas numerosas contra qualquer tipo de preconceito.
Em sumo, observa-se que toda pessoa é cidadão e capaz de exercer qualquer papel na sociedade e o que falta é a conscientização é possível por um processo um tanto gradual, podendo então se viver em uma sociedade com igualdade.

Quem sabe Canaã, a “Terra Prometida” não é dentro de cada um?

terça-feira, 13 de maio de 2008

Minha pequena, Vovó Nena! ♥

Ela foi como um anjo, que me abençoava com um simples sorriso sincero.

Ela foi como uma heroína, que me motivou a acreditar nos meus sonhos e na persistência!

Ela foi como uma professora, que me deu um livro e disse que ler era bom;

Como um ídolo, e tudo que ela botava no rádio eu gostava!

Minha vó foi como uma típica vó coruja, que enquanto minha mãe me mandava comer brócolis, ela me dava um pirulito escondida.

Só que essa vó era diferente das outras:usava batom vermelho e broches pra lá de lindos; tinha um humor maravilhoso, e um sarcasmo que vou te contar[!]; gostava de Beatles e xingava quem falava mal dos Stones; pintava o cabelo sempre que aparecia qualquer fio branco porque ela dizia que ficava linda loira!; as unhas maravilhosas, e um sorriso estampado na cara!

Eu sei que a morte dela era esperado por todos, mas quando soube foi como se tivessem arrancado parte de mim. -NINGUÉM PODE FAZER ISSO COMIGO, É CRUELDADE!

É , eu perdi uma grande amiga e vó.



Me lembro de um dia que estávamos em casa, ela meio doentinha e meu tio disse:

-O que tu tem minha véinha?

E ela, sem pensar disse:

-Uma cabeça no lugar, a bunda na cadeira e contas pra pagar!

O riso caiu solto.



Ela era maravilhosa!

Parece que meu coração está indo junto com ela pra debaixo da terra;

Mas quem sabe é ela que está dentro de mim agora?...



Só sei de uma coisa: Ela é única!

Ninguém nunca vai preencher o lugar dela no meu coração!



Vovó fodona: EU TE AMO PRA SEMPRE!

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Oê Brasileirão, esperem e verão!

Pra quem não sabe, não lembra ou não está nem aí com o que o futebol é ou representa pros fanáticos aí vai uma 'novidade':
É, o Inter venceu.
Venceu de 8x1, do time que o grêmio perdeu de 3x2...
Vendido? Sorte? Qualidade mesmo?

Se em outros tempos estávamos "com o grêmio onde o grêmio estiver", onde está o entusiasmo dos gremistas agora?
É este tópico é pra comparar esse fato com a vida:
-Quantas vezes estamos do lado de um amigo, ou família, ou time "dito do coração", só quando as condições são convenientes, só quando tem aqueeela festa da turma, quando nosso time está na série A?
A vida é assim, enquanto confortáveis somos ou defendemos algo com todas as forças;
Quando não mais nessa condição, assumimos uma postura quase imperceptível para os outros,e aquela nossa antiga, ah, essa fica com os novos vencedores, os novos amigos, os novos líderes de grêmio estudantil.

Acho que nossos valores vão além das consequências!

Por isso eu grito com orgulho:
"Gremista eu sou e o Grêmio é a alegria do meu coração!
É minha vida é minha paixão, um sentimento sem explicação!"

Um amigo meu no msn veio cheio das razões com um nick assim:

-HUMILHOU tem quantas letras?

Agora, da próxima vez que ele estiver online no msn vou dizer assim:
-Mas me diga e VINGANÇA tem quantas letras?
Talvez essas letras sejam poucas...oê Brasileirão...
Esperem e verão!

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Por um momento de paz!

Em memória de Isabella, peçamos paz entre os continentes!
PEACE
PAZ
PACO
PACE
PAIX
SHALOM
SALAAM
SHANTY
SELAM VREDE
PAKE
HETEP
RAHU
ASHTE
IRINI
HEIWA
SULH
MIRPHYONGH'WA
EMIREMBE
PACI
FRED
SULA
POKOJ
PASCH
MIERS
UKUTHULA

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Eu te amo.


Africano - Ek het jou lief
Albanês - Te dua
Alemão - Ich liebe dich
Árabe - Ana behibek
Armenia - Yes kez sirumen
Búlgaro - Obicham te
Chinês Do Mandarin - Wo ai ni
Croacia - Volim te
Coreano - Sarang Heyo
Dinamarquês - Jeg Elsker Dig
Ebreu - Ani ohev otah
Espanhol - Te quiero / Te amo
Estonia - Ma armastan sind
Etiópia - Afgreki'
Filipino - Mahal kita
Francês - Je t'aime, Je t'adore
Grego - S'agapo
Havaiano - Aloha wau ia oi
Holandês - Ik hou van jo
Hungria - Szeretlek
India - Hum Tumhe Pyar Karte hae
Inglês - I love you
Indonesia - Saya cinta padamu
Irlandês - Taim i' ngra leat
Italiano - Ti amo
Japonês - Aishiteru
Libanês - Bahibak
Norueguês - Jeg Elsker Deg
Persa - Doo-set daaram
Romenia - Te ubesk
Russo - Ya tebya liubliu
Sueco - Jag alskar dig
Suisso - Ich lieb Di
Tahitiano - Ua Here Vau Ia Oe
Turquia - Seni Seviyorum
Ucraniano - Ya tebe kahayu
Português- Eu te amo.

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Nós Fazemos Teatro!


"Contra a ignorância, o terror, a falta de educação, a propaganda de promessas, o conforto moral, a ordem acima do progresso, a fome, a falta de dentes, a falta de amores, o obscurantismo... nós fazemos teatro.
Fazemos teatro pra dar sentido às potencialidades, pra ocupar o tempo, pra desatolar o coração, pra provocar instintos, pra fertilizar razões, por uns trocados, por uma boa bisca, porque é fundamental e porque é inútil. Pra subir na vida, pra cair de quatro, pra se enganar e se conhecer... contra a experiência insatisfatória; contra a natureza, se for o caso, nós fazemos teatro.
Fazemos teatro pra não nos tornarmos ainda pior do que somos. Pra julgar publicamente os grandes massacres do espírito. Pra viabilizar a esperança humana, essa serpente...Nós fazemos teatro de manhã, de tarde e de noite. Nós somos uma convivência de emoções, 24 horas distribuindo máscaras e raízes.
Nós fazemos teatro de tudo, o tempo todo, porque acreditamos que a vida pode ser tão expressiva quanto a obra e que devemos ter a chance de concebê-la e forni-la artisticamente. Porque estamos acordados. Porque sonhamos os nossos pesadelos.
Nós fazemos teatro apesar daqueles que, por um motivo que só pode ser estúpido, estejam "contra" o teatro. Aliás, o que pode ser "contra" algo tão "a favor"?
Nós fazemos teatro contra a mediocrização do pensamento; a desigualdade entre os iguais e a igualdade dos diferentes.
Nós fazemos teatro contra os privilégios dos assassinos de gravata, batina, jaqueta, toga, minissaia, vestido longo, farda, camiseta regata ou avental. Contra a uniformidade, nós fazemos teatro.
Nós fazemos teatro contra o mau teatro que querem fazer da realidade.Nós fazemos teatro pra explicarmo-nos - ainda que mal - e ao mal de todos nós dar algum destino menos infeliz.
Nós fazemos teatro pra morrer de rir e pra morrer melhor. Pra entender o inestimável, se esfregar no infalível, resvalar na nobreza, experimentar as mais sórdidas baixezas, pra brincar de Deus...
Nós fazemos teatro, comendo o pão que os Diabos amassam, os pratos feitos que as produções financiam e os jantares que as permutas permitem.Nós temos fome da fome do teatro. Porque onde houve e há teatro, houve e há civilização.
Fazemos teatro sim, tem gente que não faz e está morrendo, essa é que é a verdade."

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Irmandade Certeira: Sucesso de Carreira!


Peculiar, suave e marcante!
É como vejo a música dos Brothers!
Não, não falo daquela bandinha "The nakers brothers band", mas sim de LOS HERMANOS!
Eles eram simples meninos de AP, que queriam fazer música em meados de 90.
Mas Marcelo Camelo, o vocalista, não escrevia na linha política e baderneira da década, e gostava de instrumentos que desviavam do clássico HardCore.
Mas com trompete e teclado, amor e poesia, os cariocas mergulharam com tudo no sonho!
O primeiro single, Anna Júlia, foi excluido da seleção final pro CD, li várias reportagens na época que eles não aguentavam mais os pedidos de "Toca 'Anna Júlia'!!".
No entanto foi essa música, paixonite de Camelo, que chutou eles pro auge do sucesso.
E não demorou muito pra eles voltarem pra sua própria linha músical: a mistura de samba, indie rock e tudo que há de bom!
Sucesso garantido! Los Hermanos já conquistou o coração de cada um com suas letras poéticas, reflexivas, e um tanto inspiradoras!

Costumo comparar Los Hermanos com o pôr-do-sol no gasômetro: Simples, sublime... único!

O pôr-do-sol no resto do mundo não tem a mesma brisa suave de Porto Alegre, ou então os encantos gaúchos. É o cartão postal daqui!

É o mesmo com Los Hermanos, não é comparável cada acorde, cada palavra... é uma banda singular! É o cartão postal da boa música brasileira!
Já estão na história!

Sucesso Guris!

"Esse é só o começo do fim da nossa vida
Deixa chegar o sonho, prepara uma avenida
que a gente vai passar..."

Dedico a postagem à Cláudia.

segunda-feira, 31 de março de 2008

Amor de Mãe.

É sempre fraternal e imenso!
Mãe é o anjo que temos na Terra!
Eis uma história:

Ela era apenas uma gata de pêlos curtos, sem eira nem beira e sem nome, com cinco filhotinhos, tentando sobreviver nas ruas pobres de um bairro de Nova York. Estabeleceu morada numa garagem abandonada e depredada, bastante sujeita a incêndios. Vasculhava a vizinhança procurando restos de comida para poder alimentar-se e cuidar dos filhotes.

Tudo isso iria mudar às 6h06 da manhã de 29 de março de 1.996, quando um incêndio rapidamente engolfou a garagem. A casa dos felinos ficou em chamas. A divisão 175 do corpo de bombeiros foi acionada, e logo o incêndio foi debelado. O bombeiro David Giannelli notou que as queimaduras eram progressivamente mais graves, de um gatinho para outro, alguns tendo esperado mais tempo para ser resgatados, visto que a mãe os carregou um por um para fora do local do incêndio.
Um jornal relatou o seguinte a respeito do paradeiro da gata e do seu desvelo: "Quando Giannelli encontrou a gata, ela estava prostrada de dor num terreno baldio ali perto, e aquilo lhe cortou o coração. As pálpebras da gata estavam fechadas de tanto que incharam por causa da fumaça. As almofadas das patas apresentavam queimaduras gravíssimas. A cara, as orelhas e as pernas estavam horrivelmente chamuscadas. Giannelli providenciou uma caixa de papelão onde cuidadosamente colocou a gata e os filhotes. Ela nem conseguia abrir os olhos, disse Giannelli. Mas tocou os gatinhos um por um com a pata, contando-os."

Ela estava morre-não-morre. O relato continuou: "Deram-lhe medicamentos para combater o choque. Colocaram um tubo intravenoso cheio de antibiótico na heróica felina, e, delicadamente, passaram pomadas antibióticas nas queimaduras. Daí, ela foi colocada numa gaiola com câmara de oxigênio para ajudar a respiração, e todo o pessoal da liga de animais ficou em suspense... Em 48 horas, a heroína já conseguia sentar-se. Seus olhos inchados se abriram e, segundo os veterinários, não tinham sofrido nenhuma lesão".
Pare e pense. Imagine por um momento essa mãe corajosa, com seu medo inato do fogo, entrando no local enfumaçado e em chamas para resgatar os filhotinhos que miavam desesperadamente. Entrar uma vez para levar os filhotinhos indefesos seria incrível; fazer isso cinco vezes, cada vez com dores mais intensas devido a queimaduras adicionais na cara e nos pés, é inimaginável! A corajosa criatura foi chamada de Scarlett porque as queimaduras revelavam uma pele cor de escarlate, ou vermelha.
Scarlett comoveu o coração de muita gente no mundo todo. Isso nos faz pensar se o coração de milhões de mães hoje, que eliminam o filho antes de nascer, ou por abusos, logo depois que nasce, não sente nenhum remorso diante do exemplo do amor de Scarlett pelos seus filhotes.

"...É dor que desatina sem doer!"

segunda-feira, 24 de março de 2008

Quem ama o feio...



...Bonito lhe parece!

Hoje pela manhã li uma reportagem com o seguinte título:" A Bela e a Fera", que abordava que os casamentos em que a mulher é mais bonita que o homem tem mais chance de dar certo, e fiquei apavorada com as estatísticas das pesquisas.
Foram entrevistados 80 casais que ratificaram que a beleza teve efeitos robustos e positivos no ínicio da relação, mas que no decorrer do convívio pode, ou não "atrapalhar" de certa forma.
Os homens mais bonitos, têm mais chances de levar relacionamentos abertos e pouco duradouros.
"A mulher também tem essa chance!"_eu pensei.
Mas, se em uma noite o homem beija 3 mulheres ele é o garanhão.
Se no entanto, acontecer o contrário, a mulher é a galinha.
Ponto de vista esse machista e mundano, mas que, convenhamos influencia no pensamento de cada um!
E também é tópico da notícia que o homem mais bonito tem menos tendência a oferecer apoio emocional e prático às suas mulheres.
Apoio emocional...
Emocional.
Emo.
Quer um emo? Vai no show da Fresno beeem!
Just kidding!
Acredito que o que importa mesmo é o amor.
Porque, o que seria da mulher feia se todos gostassem da bonita?
Amém, digo, apenas AMEM!

quarta-feira, 19 de março de 2008

A Fantástica Fantasia de Chocolate.


Páscoa.
Mais um evento mundial em que as pessoas giram em torno de uma coisa só: o gasto!
Se em outra ocasião, "Seja rico ou seja pobre, o velhinho sempre vem", qual é a música que motiva e cria esperança na Páscoa?
É, não deixa de ser mais um atalho da publicidade até os bolsos dos consumidores, mas convenhamos:
Páscoa é o máximo!
É a época em que tudo parece ter um toque do tal coelhinho. É quando podemos nos sentir como crianças novamente e esperar na manhã de domingo os ovinhos de chocolate e as patinhas no carpete feitas com talco pelos pais.
Teve uma vez que vi minha mãe fazendo as patinhas com talco, mas logo fechei os olhos e deixei a magia do chocolate tomar conta da minha imaginação, e na manhã seguinte me lambuzei de tantas guloseimas.
Inocente e fraternal. É como defino o dia do chocolate.
Dia que nunca comemos demais e sempre tem mais um cantinho pro cacau.
Esse ano, vou torcer para que o coelhinho venha visitar a minha casa e me traga ao menos uma caixa de bombons, até porque, a páscoa este ano é no dia seguinte do meu aniversário.
Coelhinho, seja bonzinho, me deixe mergulhar novamente na Fantasia de Chocolate.
Feliz Páscoa!

segunda-feira, 17 de março de 2008

Biscoitinho inovador!


Parece sonho. Parece ilusão. Mas acreditem:
Depois da tormenta vem mesmo o céu!
Esse final de semana realizei o sonho de estar no palco da AMRIGS, onde Os homens de perto pisaram; e me senti... bonita(o que não é muito comum).
Para mim foi sem dúvida o melhor final de semana do ano!
Sexta fui a um aniversário, simples e sem muita frescurada, ou seja, bem como eu gosto!
Me diverti, conheci pessoas novas, ri bastante ... sem nenhuma gota de alcool.

Foi o início de um final de semana maravilhoso.
No sábado começou o sonho: Espetáculo na AMRIGS.
Na hora do espetáculo, senti um frio na barriga que nunca tinha sentido antes. Meu corpo inteiro tremia como se estivesse um frio de -5°c.
Entrei, atuei, arrazei!!!!
Tinha realizado um sonho.
A cada palma que escutei no final era como uma voz dizendo: "Foi ótimo" ou " Continua, isso é pra ti mesmo!".
O sentimento nesse momento foi transbordante a ponto da respiração ficar rarefeita.
Sábado foi com certeza a noite mais bem dormida da minha vida!
Domingo, depois de ver meus queridos amigos no parque da redenção, o sonho aquele, já realizado, ratificou-se, com mais um espetáculo no domingo.
A emoção que senti não posso tranferir para palavras pois ficará como grão de mostarda perto do que realmente foi!
Algo único, inesplicável!
E hoje recebo a maravilhosa notícia que consegui passar na dependência que estava fazendo!
É, pelo jeito estou num fase de sorte então, não pretendo desperdiçá-la nem por um minuto.
Quem diria, eu...a menina que se achava a mais azarada, agora achando que é agraciada pelo destino.
Roda vida hein.

"Roda mundo roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração."

Vai ver naquele restaurante chinês que fui sexta, me deram daqueles biscoitos da sorte e nem percebi.

quinta-feira, 13 de março de 2008

A pedra mais alta.


"Enquanto houver você do outro lado
Aqui do outro eu consigo me orientar
A cena repete a cena se inverte
Enchendo a minh'alma d'aquilo que outrora eu deixei de acreditar
Tua palavra, tua história
Tua verdade fazendo escola
E tua ausência fazendo silêncio em todo lugar
Metade de mim
Agora é assim
De um lado a poesia, o verbo, a saudade
Do outro a luta, a força e a coragem pra chegar no fim
E o fim é belo incerto... depende de como você vê
O novo, o credo, a fé que você deposita em você e só

Só enquanto eu respirar
Vou me lembrar de você
Só enquanto eu respirar"

Teatro Mágico.

sexta-feira, 7 de março de 2008

Paul Franklin Dano...

Por você, eu ficaria rico num mês, eu dormiria de meia pra virar burguês...

Do Esforço Físico-Mental.



Escrevo ,como de costume, da sala do meu estágio, confortavelmente sentada em uma poltrona.
Mas desta vez é diferente. A única parte do meu corpo que não dói são as minhas mãos.
É, é o preço que se paga.
Fiquei em dependência em Educação Física, quem mandou?!
Nesses 2 últimos dias fiz todos os exercícios físicos que "matei" durante o ano anterior.
Mesmos 2 dias que a cia arte e ação da qual faço parte fez uma apresentação em Novo Hamburgo, me tirando um pouco mais de energia.
E lembrando que fui no dentista na quarta e estou com tanto dor de dente que dói a cabeça e o ouvido junto.
Na Educação Física...Corridas e mais corridas: pensei que ia desmaiar, mas a idéia de eu repetir um ano inteiro porque rodei em EF não me deixou parar.
Ontem eu já estava exausta de ante-ontem, mas mesmo assim continuei.
Acabamos de correr: Meu pulmão ainda estava dentro de mim(parecia que a qualquer momento ele ia pular pela minha boca), e então o professor pronunciou palavras fatais:
-Agora, ginástica.
Então lá fomos nós para aquela desconfortável "sala de espelhos" e fizemos uns tantos exercícios.
Eu já estava quebrada.
Depois disso tivemos que fazer prova teórica:quarta sobre vôlei e ontem sobre futsal.
E ontem, o destino não satisfeito com isso fez eu ter espetáculo bem longe.
Conclusão?
Eu hoje as 2h da manhã em casa, mal conseguindo andar, com dor de dente, no corpo, de ouvido, de cabeça e tendo que trabalhar hoje a tarde.
Não há remédio que segure.
Oo E incrível como isso está me afetando psicologicamente.

Mas isso serviu para a auto-percepção de uma qualidade minha:

Ah sim, sou ESFORÇADA!

segunda-feira, 3 de março de 2008

Mosaico sentimental.




Primeiro dia de aula:Tédio para alguns, entusiasmo para outros.
Mas para mim com certeza foi um mix de sentimentos:
Ódio. Não, na verdade é vontade de destroçar os órgãos de alguém.(haha)
É uma menina que tem como esporte me irritar, mas sabe que isso está ficando extremamente divertido.
Hoje por algum motivo, óbvio de certa forma, ela ficou me chamando de "emo", como se isso me ofendesse(tsctsctsc), e eu comecei a imitá-la com seu jeito patético no meio da rua , a mandar beijinhos cínicos pra ela e chamar ela de minha fã! Foi tão gostoso sabe...Me arrepiava a cada vez que via que ela estava brava!
Saudade. Do pessoal que se formou ano passado e dos que trocaram de escola. Eles com certeza vão fazer falta esse ano, todos eles são essenciais: Aline, Georginho, PiH, Rafa, Matheus...Não vai ser a mesma coisa sem vocês amados!
Felicidade. Há quanto tempo eu não via o Harolldo(meu melhor amigo da escola), "tocar guitarra no meu antebraço" foi prazeroso como se eu estivesse ingerindo um tablete de chocolate inteiro.
Ou então quando fomos , o casal mais lindo(Naná e Maurício) e eu, para o barzinho mais frequentado em 2007: Silvinha.
Só de encostar as mãos no corrimão da escada da escola, sentar na sacada do 3° ano ou só de olhar para a grama verde(não aparada há tempos) me fez imenso bem.
Culpa. Final de 2007 eu magoei algumas pessoas do qual eu ainda gosto, sem motivo certo. Elas hoje, que são duas, são minhas colegas novemente e me vejo na obrigação de pedir desculpas, pois elas nunca me fizeram mal algum, mas pelo contrário, sempre me ajudaram.
Ansiedade. Enfim entreguei os trabalhos de recuperação. Agora tenho que fazer 2 semanas de EF e esperar para ver os resultados e ser, propriamente dito, do terceiro ano.
Confusão. Talvez isso não seja do primeiro dia, mas é o que está me acompanhando há dias.

Espero que eu consiga indireitar meus sentimentos e que esse ano seja um pouco mais proveitoso que foi o ano passado. E que eu realmente ESTUDE.

E em 2009?

UFRGS!

Zo>
Por Keka Bittencourt.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Da rápida evolução.




Blog deserto! Oo
Mas não ligo mais pra quantos comentários vão estar no blog, ou se vão ter comentários...
Até porque, isso está virando um diárionline, coisa assim...Mas enfim, não vou parar de escrever, sendo que esse é o mágico de ter um blog.

As minhas férias podiam ser mais extensas ou pelo menos, ser FÉRIAS, propriamente dito, porque nesse tempo de pausa do colégio, acho que fiz mais atividades do que o ano passado inteiro:
-Sou do grêmio estudantil;
-Faço teatro adoidado! Não existe férias para ator(salvo os que ganham bem...);
-Tenho uma banda, se bem que esse é o item que menos vivi nas pseudo-férias;
-Faço estágio na prefeitura, já é um turno do dia morto;
-Tô pendurada no colégio:Tenho 2 trabalhos para entregar em março, e não fiz nenhum até meio de fevereiro(por não ter tempo).
-Ah, e ALOOOU, eu durmo, claro...Pouco, mas o faço.
-Ah,e deu pras minhas necessidades femininas...é, a minha sombrancelha pede socorro!

Quando somos crianças queremos ser adultos, porque achamos intediante sentar e ver Castelo Rá-tim-bum comendo plic-plac ou ficar a tarde brincando de panelinha, mas não sabemos que essa é a melhor fase da vida.
Sem preocupações, sem a correria por dinheiro nesse mundo capitalista.
A vida adulta é como no mundo animal e instintivamente o maior come o menor. É uma eterna luta, às vezes sem resultado.
Sei que tenho apenas 17 anos, mas se eu pudesse estacionaria por aqui, pois logo mais adiante vou ter que enfrentar a faculdade, aluguel, chefe... É um caminho rotineiro e cansativo. Onde sempre vai ter alguém melhor e alguém pior.
Sentar e comer plic-plac agora, certamente é uma utopia...
Sabe qual é o pior de ser adulto?
Porque quando se começa a ter responsabilidades, quando algo ou alguém fica dependente de ti, NÃO existe volta...É um caminho que todos tem que trilhar, sem saída. Todos um dia vão ser adultos. E quem tentar fugir disso ou fica louco, ou miserável.
Creio que a única coisa que se pode fazer é aproveitar. Não só a infância e os plic-placs, mas cada momento mesmo, porque, agora eu tenho 17 e estou quase louca...e acredito que só tende a priorar.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Complexada ou Realista?

Creio que posso ser os 2!
Complexada por às vezes deixar de ir a lugares e/ou surtar.
Realista porque, convenhamos, não me encaixo no padrão de beleza que a mídia apresenta e querendo ou não, influencia.
A gota d'água dessa vez foi uma menina no parque da redenção.
Nunca tinha a visto e, como se eu tivesse feito algum mal pra ela, a menina começou a me ofender no meio do parque.
Admito que me senti muito intrigada com as ofensas dela, até porque minha auto-estima não é lá essas coisas, e o pouco que restava foi pisoteada pela menina de boina rosa.
Ela só parou de me xingar quando avistou uma mulher deficiente e então começou a rir dela. Até que ponto vai a crueldade das pessoas! Isso me deixou estática, e sem reação nenhuma.
Já não basta o preconceito diário que deficientes passam, sempre tem uma pessoa sem coração que piora a situação.
E em relação a mim, me senti um lixo depois disso.
Minha mãe disse que pessoas que fazem esse tipo de coisa tem inveja mas, inveja de que? A moça era lin-da.Perversa, mas linda.
Agora a tal de boina rosa nem lembra de mim, deve estar rindo de outras pessoas. Mas em mim as palavras dela se eternizaram.
Agora estou, tomando providências.
Não! Não vou investigar a vida da assassina de auto-estima, mas acabar com o motivo do xingamento :
"Olha, essa guria acha que tem estilo...baita gorda ...hahaha"
Então...para não correr mais riscos de depressão estética:
Dieta aí vou eu.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

A arte do Azar.



Em um bairro da Porto Alegre, vive Carolina Braga.
Carolina é uma menina de 17 anos com prazeres momentâneos que gosta de "aproveitar o momento", desde que fizera uma cirurgia e quase viera a morrer, e isso a atrapalha às vezes. Ela faz estágio em uma secretaria da prefeitura de Porto Alegre e trabalha com processos de telefonia, empresas,etc. O chefe dela ,André, é um homem velho , porém, divetido, a quem ela preza muito respeito.
Quando tem processos encaminhados para o centro ela desce até o térreo e pega o "trem"(carro locado) das 3h em ponto(que é o único da tarde).
Na segunda-feira, estava cheio de processos pelo atraso do feriado de carnaval em cima de sua mesa, quando olha no relógio: 3h08min
_"DEMISSÃO!!"
Então rapidamente, Carolina pega o telefone discando 8813(ramal dos veículos locados)
_" O trem já saiu?"
_"Saiu sim", diz o outro lado da linha.
Ela pensa: "ME F*** AFU!"
Tentando remediar o erro cometido, começa a mexer nas coisas e ajeitar de um jeito assustador para espectadores, faz um café e derruba no celular do chefe que carregava ao lado da cafeteira.
_"AHHH DEMISSÃO!!!"
Treme feito louca, com olhos esbugalhados. Senta em frente ao computador depois de limpar o celular do chefe e não olha pra trás por nada, pois é lá que ele fica sentado.
Atende a todos os telefonemas. Anota todos os recados por mais que André saiba a respeito deles.
_"Carolina, encaminha esse processo pra DCON por favor.", diz André rindo por ver a cara de assustada dela.
_"Claro". E sem mais demora, vai indireitando tudo pra encaminhar.
_"Pronto!", pensa.
Então vai até o segundo andar pra entregar o processo e volta.
Oito minutos depois liga uma moça da DCON, perguntando sobre o tal processo.
_"Olha esse processo é urgente, preciso dele aqui!"
_"Mas moça, eu acabei de levá-lo aí, mas darei mais uma ohada aqui e no sistema."
Carolina olha para a guia de andamento e lê uma palavra que fez com que sentiu como se a alma saisse e voltasse rapidamente para o corpo:
ORGÃO DE DESTINO: SECON
P*** ME F***...agora sim...DEMISSÃÃÃO! Era pra DCON e não pra SECON!!!!
Carolina então pede desculpas para André, que ri.
Então ela arruma rapidamente e as coisas e vai fazer o que melhor sabe fazer: cuitir o momento, em frente a uma máquina de fliperama.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Die.



"Primeiro, as cores.
Depois, os humanos.
Em geral, é assim que vejo as coisas.
Ou, pelo menos, é o que tento.

-EIS UM PEQUENO FATO-
Você vai morrer.

Com absoluta sinceridade, tento ser otimista a respeito de todo esse assunto, embora a maioria das pessoas sinta-se impedida de acreditar em mim, sejam quais forem meus protestos. Por favor, confie em mim. Decididamente, eu sei ser animada, sei ser amável. Agradável. Afável. E esse são apenas os As. Só não me peça para ser simpática. Simpatia não tem nada a ver comigo.

-REAÇÃO AO FATO SUPRACITADO-
Isso preocupa você?
Insisto_não tenha medo.
Sou tudo, menos injusta.
_ É claro, uma apresentação.
Um começo.
Onde estão meus modos?
Eu poderia me apresentar apropriadamente, mas, na verdade, isso não é necessário. Você me conhecerá o suficiente e bem depressa, dependendo de uma gama diversificada de variáveis. Basta dizer que, em algum pouco tempo, eu me erguerei sobre você, com toda a cordialidade possível. Sua alma estará em meus braços. Haverá uma cor pousada em meu ombro. E levarei você embora gentilmente.
Nesse momento você estará deitado(raramente encontro pessoas de pé). Estará solidificado em seu corpo. Talvez haja uma descoberta; um grito pingará pelo ar. O único som que ouvirei depois disso será minha própria respiração, além do som do cheiro dos meus passos."
Prazer, eu sou a Morte.

Trecho do livro "A menina que roubava livros" de Markus Zusak.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Do Lesbianismo.


À conta deste post, andei às voltas a remoer e a pensar nas vantagens dos GLBT, vantagens que vão para além do óbvio.Então mostrarei as vantagens para possíveis lésbicas que lerão...
Vantagens que decorrem da desvantagem de pertencer a uma sociedade que apresenta reservas (eu sei que é uma forma simpática de pôr as coisas) face a demonstrações públicas da homossexualidade (não só as demonstrações de afeto).

Existem desvantagens, como o pré-conceito das pessoas, que fazem um esteriótipo e humilham pessoas pela opção sexual. A discriminação existe, é fato, mas o que as pessoas precisam pensar é na felicidade, e não na aceitação de menina "normal", até porque, "Eu juro que é melhor não ser um normal..."...

Mas sem duvida que vejo imensas vantagens.
- Se a depilação estivesse a 10%, ela ia compreender. É normal que nem sempre nos apeteça ocupar o tempo livre a sofrer. haha;
- Não poderia dar desculpas que não sabe passar a ferro, lavar roupa, louça, etc;
- Se estivesse na praia a gozar o sol, às seis da tarde não iria ouvir: "Querida vamos embora que vai passar o futebol na TV.";
- Nos dias de neura, iria entender que temos dias ruins e não iria fazer perguntas que quase nos fazem subir paredes;
- as sessões de sexo não deixariam os lençóis sujos de esperma =) ;
- Não precisaria tomar a pilula
- Depois das sessões de sexo teria com quem conversar, não seria: "Come-dorme!";
- Possivelmente teria sempre companhia para as compras;
- Com paciência ainda me ajudaria a fazer chapinha, sem apressar;
- Se lhe dissesse para me comprar absorvente, não iria ter como resposta:"Nãooo, que mau aspecto chegar ao caixa com isso!";
- Poderia dormir com o pijama polar azul estampado com ratinhos e meias de lã de ovelha. Se fosse homem, mesmo com 8ºc negativos tinha que fazer o esforço de vestir camisola transparente e rendada... e o pobre ainda pensria que os mamilos duros era por estar excitada! Tadinhos...
- Se saíssemos à noite poderíamos ir juntas ao toallet da discoteca e talvez #%$@#¨%$... ;
- Com sorte, não precisaria explicar que o ponto G existe e onde está;
- Iriam existir menos porquices clássicas dos homens;
- Eu não precisaria assistir à degradação a vê-la coçar os tomates e cuspir para o chão;

- E o relacionamento seria sensivel, talvez com aquela sensibilidade de pólen, que sabe quando erra e que além disso, reconhece-o (quem dera que os homens fossem assim)....

Saiam do armário suas caminhões!


Dedico a Nicolli LokaDarua ^^

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Eterna....Diva!


Norma Jean Baker ,Marilyn Monroe.
De junho de 1926 a 5 de agosto de 1962
; Los Angeles


Marilyn Monroe personificou o glamour hollywoodiano com incomparável brilho e energia que encantaram o mundo. Apesar de sua beleza deslumbrante, suas curvas e lábios carnudos, Marilyn era mais do que um símbolo sexual na década de 50. Sua aparente vulnerabilidade e inocência, junto com sua inata sensualidade, a tornaram querida no mundo inteiro. Ela dominou a "Era das grandes estrelas" e, sem dúvida, foi a mulher mais famosa do século 20.









E apesar de ser o símbolo sexual dos anos 50, se achava um fracasso de mulher.
Sua vida fora entre o estrelato,glamour; depressão e culpa.

Linda, talentosa, única.
Eternizada na lembrança de todos com suas saias esvoaçantes.


Eu sabia que eu pertencia ao público e ao mundo, não pelo fato de ser talentosa ou até mesmo bonita, mas porque eu nunca pertenci a nada ou a ninguém

Para Sempre Marilyn.


Dedico à Bruna Cerejinha ;D

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Devaneios de um Hermano.

O FUSCA VERDE, por Bruno Medina.

A História é inspirada em fatos reais

Da janela do segundo andar, Umberto analisava clinicamente o Fusca verde. O carrinho encontrava-se parado à porta de sua casa fazia quase um mês, fato que o irritava profundamente. A vaga que ocupava era justo a sua preferida, na qual sempre estacionava o próprio carro. Por conta da permanência prolongada do Fusca, teve de se conformar com a vaga em frente, bem debaixo de uma frondosa jabuticabeira, que, nesta época do ano, pintava o carro todo de roxo.

A cada vez que precisava remover frutinhas estouradas e incrustadas no pára-brisa de seu carro, Umberto lamentava o descuido que permitiu ao condutor do maldito fusquinha ocupar o espaço que sempre fora seu. Era uma quinta-feira qualquer quando decidiu ir ao cinema; assistiu a um filme ruim, do qual nem lembrava o nome e, na volta, um Fusca havia entrado em sua vida. Foi simplesmente assim que aconteceu.

Por muitas vezes foi correndo à janela, pensando ser do Fusca o motor de arranque em seu indefectível revolver, anunciando - quisera ele para sempre - a própria partida. Mas não, eram outros os carros, o Fusca permanecia inerte como busto desconhecido em praça do interior, um monumento a sua completa impotência diante da situação. Abdicou da costumeira postura reservada para se pôr a perguntar pela rua, aos vizinhos, a qualquer um que nunca teve dele mais do que um bom dia sussurrado a boca pequena, a quem pertencia aquele carro. Em vão, ninguém tinha a resposta.

Numa tarde de domingo, se deu conta de que nunca havia olhado o velho Fusca de perto. Como? Ali estava seu algoz, e ele apenas o conhecia de longe e do alto? Era preciso igualar-se a ele, encará-lo de frente, tocá-lo, sentir seu cheiro, conhecer suas formas, para que este nunca pudesse surpreendê-lo. Não queria, no entanto, fazer aquilo com testemunhas; algum vizinho poderia suspeitar de sua frustração ou pior, perceber que ele elegera como arquiinimigo um inofensivo fusquinha. O jeito era esperar a madrugada para estudá-lo sem nenhuma preocupação.

Colocou o despertador para as três horas da madrugada e, de pijamas, munido de uma lanterna, partiu para a investigação. Olhou por baixo, por trás e lá dentro, posado sobre o banco do carona, avistou um papel, uma pista. Regulou o foco da lanterna para o alvo e, com muita dificuldade, conseguiu ler alguma coisa. Era um recibo de lavanderia. Duas calças, um paletó e uma colcha de casal, em nome de Ligia, provavelmente a dona do carro.

Anotou o número do pedido, do telefone da loja e mal conseguiu se segurar até a manhã seguinte para fazer a aguardada ligação. A estratégia foi dizer que havia encontrado uma carteira na rua de uma tal Ligia, e que dentro havia um recibo da lavanderia. Pediu para que lhe passassem o telefone da cliente. O funcionário ficou um pouco desconfiado mas acabou cedendo; a partir dos dados fornecidos, Umberto conseguiu o telefone da “dona do Fusca” e deu seqüência ao plano de remoção do veículo ligando para ela:

– Alô, bom dia

– Bom dia.

– Dona Ligia, aqui fala Umberto, proprietário da casa em frente onde está estacionado seu carro.

– Aconteceu alguma coisa com meu carro? - perguntou em tom de apreensão.

– Não, está tudo bem, não se preocupe. Acontece que fiquei preocupado pois seu carro está estacionado na mesma vaga faz muito tempo e….

– Como foi que o senhor conseguiu meu telefone?

– … eu cheguei até seu número porque achei que algo havia acontecido…

– Não, meu senhor, nada aconteceu. O carro está estacionado aí porque eu moro próximo a sua rua, mas infelizmente aqui não é muito fácil encontrar boas vagas.

– Desculpe a intromissão, mas a senhora não usa mais o carro?

– A verdade é que eu mesma raramente o uso, quem usava mesmo era meu filho, que agora está fazendo um intercâmbio no exterior e só deve voltar daqui a seis meses.

– Seis meses?! O carro vai ficar estacionado na porta da minha casa mais seis meses?

– Sim. Por quê? O senhor tem alguma objeção?

– Não, mas a senhora poderia parar o carro em outro lugar. Que tal?

– Por quê?

– Porque a senhora nem aqui mora e está tirando minha vaga preferida! Sabia que meu carro está debaixo de uma jabuticabeira que pinta ele todo de roxo? A senhora sabe o que é ter de lavar um carro dia sim outro também?

– Olha só, meu senhor, não sei como conseguiu meu telefone, mas acredito que o senhor não anda muito bem do juízo. O carro vai ficar aí onde está até eu ou o meu filho resolvermos tirá-lo, e se o senhor fizer alguma coisa ao carro, ou mesmo voltar a me ligar, vou chamar a polícia. Passar bem.

Bateu o telefone e assim terminou a conversa entre os dois, nada resolvido. Umberto andava em círculos pela casa praguejando e tentando ter idéias, porque, se antes remover o Fusca era uma questão de conveniência, agora era questão de honra. - Que mulher egoísta e estúpida! Que petulante! Um favor que não lhe custaria nada - dizia Umberto inconformado com o resultado da empreitada. A única solução seria encontrar um meio de fazer a proprietária querer sair com o carro. E foi então que teve uma brilhante idéia…

A partir do nome e do sobrenome obtidos na nota da lavanderia, Umberto passou dois dias estudando as páginas amarelas até descobrir o endereço da dona do Fusca, cujo telefone estava em nome do marido. O passo seguinte do plano era fazer amizade com o porteiro do prédio de dona Ligia; Adquirindo sua confiança, seria mais fácil convencê-lo de que era morador daquela rua.

Ao novo amigo disse ser um colecionador de carros antigos e demonstrou interesse por um Fusca verde-bandeira, muito bonito, que sempre ficava por ali. O porteiro imediatamente reconheceu a descrição do veículo, mas disse estar certo de que a proprietária não desejaria vendê-lo, pois havia comentado que o manteria para quando o filho voltasse do exterior. Mesmo assim Umberto falou em dinheiro, ofereceu quase o dobro do que o carro valia e solicitou ao porteiro que informasse dona Ligia de sua proposta.

Voltou a telefoná-la, dessa vez se apresentando como Athayde Alcântara, um idôneo colecionador de carros antigos. Ajudavam a compor seu personagem o rebuscado vocabulário e o anasalado tom de voz, que, somados ao nome pomposo, conferiam-lhe um ar de especialista. Após as cabíveis considerações iniciais, da forma mais cordial possível, Athayde reiterou a oferta que havia feito ao porteiro. A princípio dona Ligia reagiu com indiferença, no entanto o valor em questão era realmente irresistível.

O dinheiro possibilitava comprar um carro bem melhor, ou mesmo dois iguais àquele. Além da compensação financeira, havia o argumento de que o veículo ficaria guardado na garagem do colecionador, recebendo tratamento de peça de museu, e, eventualmente, participando de algumas exposições. Dona Ligia foi convencida. Marcaram um encontro para a manhã seguinte no lugar onde o carro estava estacionado. Umberto fingia anotar o próprio endereço enquanto silenciosamente comemorava sua façanha.

Seu plano era uma jogada de mestre: o senhor Athayde pediria para dar uma volta no Fusca, afim de melhor avaliar sua condição. Umberto deixaria um vizinho de sobreaviso para que -caso o espaço em frente a sua casa estivesse livre- trocasse seu Opala de lugar. Enquanto rodava pelo bairro com dona Ligia, o vizinho moveria o carro e, ao retornar, o Fusca não encontraria sua vaga habitual, passando os próximos seis meses estacionado em outro lugar qualquer. Ao final do teste, o colecionador alegaria um problema que inviabilizasse a compra e, dessa forma, o Fusquinha e sua dona estariam definitivamente banidos, não só daquela rua como também de sua vida.

Um pouco antes do horário combinado Umberto já esperava na esquina, porque era preciso ter o cuidado de não ser visto saindo de casa. Dona Ligia era uma mulher de meia idade, baixinha, cabelo tingido, trajando shorts e chinelo. Senhor Athayde vestia calça social marrom, camisa de linho azul e carregava uma pasta de couro vazia, apenas pela aparência.

Apresentações feitas, pegou a chave e sentou na posição do motorista. Ao seu lado, no banco do carona, repousava a nota da lavanderia que havia originado o plano. Dona Ligia amassou-a e jogou-a pela janela sem se dar conta de que aquela havia sido sua falha estratégica, o erro que permitiu o avanço do audacioso plano de Umberto. Athayde ajeitou-se procurando a melhor posição para dirigir, e deu partida. O carrinho pegou na primeira tentativa, ignorando a idade e o tempo que permaneceu parado. Antes de contornar a quadra, viu, pelo espelho retrovisor, seu vizinho saindo de casa, exatamente conforme o previsto.

Umberto tentava controlar a gargalhada de satisfação que insistia em lhe escapar enquanto dona Ligia permanecia entediada sem ao menos desconfiar do que se passava. O Fusca subiu o viaduto, entrou no túnel, cruzou a ponte, desceu a ladeira, e só então sua dona questionou se a avaliação já não era suficiente.

Athayde respondeu que precisava ainda analisar alguns detalhes e prosseguiu. A sensação de dirigir aquele Fusca era indescritível. Quarenta minutos após o início do passeio, Umberto finalmente decidiu retornar ao ponto de partida. Lá chegando encontrou seu Opala parado na porta de casa, justo como ele tanto queria. O plano tinha transcorrido com perfeição. Dona Ligia resmungava algo relacionado a ter perdido uma excelente vaga quando uma coisa muito estranha aconteceu.

Aquela imagem, do carro preto e grande parado na porta da casa, não era familiar. O Fusca era familiar. O Opala era altivo, formal e esnobe, o Fusca era modesto, prático, e alegre. O Fusca lembrava passeio, o Opala lembrava trabalho. Athayde ponderou por alguns instantes e sugeriu uma nova oferta: o Opala preto em troca do Fusca verde-bandeira. Negócio fechado. E o Fusca voltou para o lugar de onde nunca deveria ter saído.

http://colunas.g1.com.br/instanteposterior/

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Despedida de amor.



Existem duas dores de amor. A primeira é quando a relação termina e a gente, seguindo amando, tem que se acostumar com a ausência do outro, com a falta de perspectiva, já que ainda estamos tão envolvidos que não conseguimos ver luz no fim do túnel.

A segunda dor é quando começamos a vislumbrar a luz no fim do túnel. Você deve achar que eu bebi. Se a luz está sendo vista, adeus dor, não seria assim? Mais ou menos. Há, como falei, duas dores. A mais dilacerante é a dor física da falta de beijos e abraços, a dor de se tornar desimportante para o ser amado. Mas quando esta dor passa, começamos um outro ritual de despedida: a dor de abandonar o amor que sentíamos. A dor de esvaziar o coração, de remover a saudade, de ficar livre, sem sentimento especial por ninguém. Dói também.

Na verdade, ficamos apegados ao amor tanto quanto à pessoa que o gerou. Muitas pessoas reclamam por não conseguir se desprender de alguém. É que, sem se darem conta, não querem se desprender. Aquele amor, mesmo não retribuído, tornou-se um souvenir de uma época bonita que foi vivida, passou a ser um bem de valor inestimável, é uma sensação com a qual a gente se apega. Faz parte de nós. Queremos, logicamente, voltar a ser alegres e disponíveis, mas para isso é preciso abrir mão de algo que nos foi caro por muito tempo, que de certa maneira entranhou-se na gente e que só com muito esforço é possível alforriar. É uma dor mais amena, quase imperceptível. Talvez, por isso, costuma durar mais do que a dor-de-cotovelo propriamente dita.

É uma dor que nos confunde. Parece ser aquela mesma dor primeira, mas já é outra. A pessoa que nos deixou já não nos interessa mais, mas interessa o amor que sentíamos por ela, aquele amor que nos justificava como seres humanos, que nos colocava dentro das estatísticas: eu amo, logo existo. Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo. É o arremate de uma história que terminou, externamente, sem nossa concordância, mas que precisa também sair de dentro da gente.

E só então a gente poderá amar, de novo!!!


Martha Medeiros

Este texto fala tudo!

Dedico a Piero.

Visitem esse blog: http://colunas.g1.com.br/instanteposterior/
É do Bruno Medina do Los Hermanos. Recomendo!

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

O pseudo-cult.




Ele sempre quis parecer intelectual, excêntrico.
Quis ser visto como o diferente.
Cospe palavras, vomita frases com 1000 sentidos, achando que aquilo é filosofar.
Com traduções que nem ele mesmo sabe, com palavras que nem mesmo ele conhece.
O seu olhar, nos horizontes do seu próprio saber, se perde tentando encontrar-se.
Cai enfim, onde não encontra o fim, onde as palavras que dele sai giram e brincam com as frases que dele emerge. Todas borbulhando e espumando cansadas de serem ditas em vão,e de sua porta de saída ser uma boca tão despresível, cuja não tem um cérebro que lhe complemente.
Admito, não sei no que ele está querendo se transformar ou quem quer ser.
Não farei nada...nada...
Além de olhá-lo com meus olhos de misericórdia por ser tão medíocre...e rir.


Dedico ao querido Gabriel.
P.s.: Ele não é pseudo-cult! =)

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Procura-se Criatividade!



Hoje quando estava vindo pro estágio, passei por um out-door que me chamou muito atenção...
"Reclicle o lixo
Ou tá com nojinho?"

É incrível como as pessoas gastam dinheiro com inutilidades, como esta propaganda! Vejo que os bons publicitários foram abdusidos e estão passando uns tempos no triângulo das bermudas!

Reciclar é importante, mas reciclar(reutilizar) uma idéia...Como a de "Tá com nojinho" do filme tropa de Elite é pura apelação e falta de criatividade!

O mundo está cada vez mais povoado com pseudo-qualquer coisa! É tanta gente querendo passar imagem do que não é!

E a loja que faz essas propagandas horríveis está me dando cada vez mais vontade de fazer publicidade e trazer uma campanha de caridade para ela se reerguer!

Vamos todos ajudar a merda da Gang a ser melhor!

Aiai...quem sabe um dia eles ainda fazem uma publicidade de verdade...
Talvez...quando mandarem de volta os publicitários do
Triângulo das Bermudas...

*Humor Blasé* (Dedico à Bruna Vargas)

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Da Repetência.


Perder um ano da vida?
Ou seria, ganhar conhecimento e progredir interiormente?
O que define isso é conceito.

Perder:
do Lat. perdere
ser privado de coisa que se possuía;

E a aprovação não é tua...tem que ser conquistada, então, não seria em todo perder!
Na verdade o sentimento de culpa é provocado por toda uma imposição da sociedade pela qual querendo ou não, nos sentimos obrigados a nos enquadrar, sabendo desde pequenos que temos que ficar 1 ano em cada série.
A Fulaninha nunca rodou...mas tentou a UFRGS e não conseguiu...? Por quê? Porque o fato de ela passar de ano, não afirma que ela aprendeu algo.
Não estou querendo dizer que é preciso ficar 3 anos em cada série, mas quero dizer que o ritmo de cada um não precisa seguir o que lhe é imposto!
E rodar não é o fim do mundo...talvez seja um sinal para que deixemos de estudar para provas...e passemos a estudar para crescimento pessoal mesmo...

Estou me desesperando também, é a primeira vez que repito um ano... Mas aprendi a correr atrás do que eu quero e sempre com um pé atrás!

Espero que esta postagem faça o mecanismo de estudar por obrigação extinguir aos poucos e ao invés disso, o interesse (para formação de pensamento crítico) seja supremo.